Receba as postagens deste blog

13.8.09

INFORMAÇÕES SOBRE O JULGAMENTO DE ROZANGELA E OUTRAS



Tudo o que ocorre não tem sido novidade para mim, nem o fato do Conselho Federal de Psicologia ter mantido a decisão do Regional e nem a repercussão nacional e mundial do tema. Neste momento, ainda em meio aos tiroteios dos movimentos contrários e veiculação do assunto através da mídia, ainda não temos toda a clareza do que está por vir. Mas sei que Deus está no controle e veremos em pouco tempo manifestação maior do Seu poder!

Pessoas não religiosas estão tendo a oportunidade de ver, ouvir e opinar acerca de todo o ocorrido e estão me enviando seus e-mails de apoio, incluindo autoridades. Estas me parabenizam e agradecem por estar elucidando algumas das suas percepções acerca do movimento da desconstrução social ‘queer’ na sociedade em que vivemos! É incrível como Deus fala aos corações, ainda que as pessoas não tenham se dado conta de que Ele mesmo está abrindo os seus olhos!

Em e-mails passados relatei que a minha maior preocupação não era com a minha condenação junto ao CFP, pois o registro profissional não me impedirá de continuar a missão que Deus colocou em meu coração. Preocupo-me com o que este fato poderá representar para as igrejas cristãs, movimento de apoio em geral, para o povo brasileiro, independente de suas convicções religiosas, pois é um Conselho Profissional alicerçando as leis da homofobia (inquisição) e isto atingirá diretamente o cidadão brasileiro.

Recebi a notícia de que há um requerimento para a realização de uma audiência pública para tratar do PLC 122/2006, ainda não marcada. Temos muita luta pela frente! Acompanhem as notícias sobre os Projetos de Leis de interesse à vida humana e familia no site do Dr. Paulo Fernando: www.paulofernando.com.br

Na semana anterior ao meu julgamento, estava muito inquieta. Conversando com Deus pedi a Ele para falar comigo enquanto organizava os meus livros. De repente peguei um livro e o título chamou-me a atenção: A ÚLTIMA COLHEITA. O autor é o pastor da Igreja Atos de Vida, onde realizamos uma reunião da ABRACEH-DF no dia 1º de agosto, um dia após o julgamento. O título deste livro aquietou o meu coração. Penso que este é um tempo de oração, consagração de vidas a Deus, adoração ao Senhor criador dos céus, da terra e tudo o que há! Daquele que nos criou para refletirmos a Sua Imagem e Semelhança! O que esperamos é o consequente avivamento da igreja do Senhor! Esteja atento!

O JULGAMENTO:

Muitas pessoas querem saber detalhes do meu julgamento junto ao CFP.

Deus enviou 4 advogados para me acompanharem neste momento. Dois deles entraram comigo na sala do julgamento. Além destes, mais dois assessores do Deputado Paes de Lira-SP me apoiaram todo o tempo, além da assessora do Dep Henrique Afonso-AC que também esteve presente conosco na sala de espera do Conselho de Psicologia. Vejam a nota de repúdio do Deputado Paes de Lira-SP, após o meu julgamento:
http://deputadopaesdelira.blogspot.com/2009/08/paes-de-lira-escreve-nota-de-repudio.html
O Pr Rodrigo - Bola de Neve DF, sempre presente, trouxe alimento espiritual e se preocupou em nos comprar algum alimento físico devido às horas que passamos na sala de espera. Neste dia, vários psicólogos estavam sendo julgados e alguns desabafaram conosco descontentes com a postura dos conselheiros do CFP, compartilharam coisas que não podemos dizer aqui. O meu processo foi o último a ser julgado.

Dias antes do julgamento, alguns advogados entraram com um Mandado de Segurança muito bem fundamentado. Soube que a juíza que o analisou contatou o Conselho de Psicologia, além da Secretaria de Direitos Humanos, e acabou não acolhendo o Mandado. É possível que tenham feito algum acordo. Pedimos orações para que um juiz leia e acolha o Agravo, nome jurídico dado a uma forma de rever a decisão, que os advogados já entraram. Não sabemos o resultado que nos espera. A equipe que está me dando apoio jurídico é muito competente, no entanto, pelo que estamos vendo, se Deus não der um basta logo, precisarei de uma equipe de advogados só para mim e estes irmãos necessitam de uma remuneração digna por tão precioso trabalho! Peço-lhes orações por estes advogados que têm se levantado para me apoiar.

DURANTE O JULGAMENTO

Na sala onde ocorrem os julgamentos sentamos diante dos 9 conselheiros, além do advogado do Conselho Federal de Psicologia. A relatora passou à leitura do processo, não tão longo comparado ao julgamento no Rio. Dr. Paulo Fernando Melo da Costa (www.paulofernando.com.br ) pontuou algumas falhas no mesmo. Dentro dos nossos 15 minutos de pronunciamento, o Dr. Paulo, em suas colocações iniciais pediu a anulação do processo alegando que o relator do julgamento do CRP-RJ, que é o atual presidente do CRP é um ativista gay - provou o Dr. Paulo através de vários fatos documentados e a Lei diz que isto anula processos. Além disso, observou que havia a prescrição do processo. No entanto, os conselheiros do CFP passaram por cima da lei e decidiram prosseguir com o julgamento.

Dr. Paulo continuou mostrando que não haviam provas materiais contra mim, pois todo o processo é baseado em suposições e não em fatos. Em seguida, eu mostrei a CID 10 que permite ao profissional tratar dos transtornos ligados à sexualidade e homossexualidade, embora, na prática, eu coloque de lado as nomenclaturas da CID 10 (publicação da OMS) e utilize as técnicas psicoterápicas aprendidas na academia, segundo as minhas especializações, muito mais atenta a dor do paciente que me procurou, que ao rótulo que lhe foi dado e ele acreditou por um bom tempo. Alguns conselheiros, timidamente, fizeram perguntas à relatora e ela não soube encontrar as respostas dentro do processo. Abandonaram as buscas e deram continuidade ao julgamento. A relatora manteve a Censura Pública e nenhum conselheiro teve a coragem de votar contra o voto da relatora, embora parecesse para eles que havia algo errado quanto ao meu processo. Pareciam pensativos, mas tudo indica que foi orquestrado antecipadamente, um acordo para manter a minha condenação. Fiquei com a impressão de que os conselheiros não tem contato prévio com os processos e concordam com o relator sem maiores reflexões – vão para o Conselho compor o quorum necessário no dia marcado para o julgamento de vários profissionais.

Como podemos observar, a lei não está sendo respeitada, nem a verdade científica tem prevalecido. O processo que teria tudo para ser anulado não foi. O Mandado de Segurança com fundamentações científicas e jurídicas não foi acolhido. Os Direitos Humanos só valem para ativistas do movimento pró-homossexualismo e para o movimento de apoio aos que voluntariamente desejam deixar a homossexualidade não é considerado. É o que tem ocorrido até aqui, mas isto vai mudar, em nome de JESUS!

COMPORTAMENTO DA MÍDIA

Jornais, revistas, internet e TVs em todo o Brasil noticiaram o acontecimento, no entanto, a maioria, na net, mostrou-se tendenciosa, voltada para o apoio ao movimento da desconstrução social ‘queer’. Somente a TV Gênesis colocou no ar os 30 minutos de entrevista comigo e com dois dos advogados que estiveram presentes no dia do julgamento. Embora eu já estivesse cansada no final do dia, parece ter sido a melhor entrevista do dia. A mídia continua me chamado para entrevista, no entanto, estou com pouco tempo para me dedicar a tais solicitações.

Mas todos ficaram curiosos porque me apresentei de peruca, óculos escuros e mordaça. No dia do julgamento os ativistas prometeram fazer um manifesto em frente ao CFP e por esta razão, nós, do movimento de apoio optamos pelo não manifesto. Levei uma peruca encontrada no baú de uma pessoa da família e óculos escuros para passar em meio a suposta multidão de ativistas sem ser reconhecida. No entanto, o manifesto deles não ocorreu, não coloquei os apetrechos, inicialmente, mas como a imprensa estava em peso na porta do CFP, após o julgamento tive a idéia de colocá-los e vejo que foi bom, pois foi uma forma de:

1) Denunciar o cerceamento científico, de pensamento e expressão;
2) Não é o meu rosto que deve aparecer, pois sou protagonista de um drama social. Psicólogos e milhares de apoiadores no Brasil trabalham clandestinamente devido ao cerceamento do direito humano e constitucional de apoiar pessoas em estado de sofrimento psíquico desejosas de deixar a homossexualidade. Como o tema já chegou ao povo brasileiro, pelo retorno que recebo, o que todos esperam é que o direito de apoiar e ser apoiado seja garantido pelos conselhos profissionais e poder público;
3) Qualquer paciente meu poderia passar por pessoa com transtorno na área sexual, o que não é verdade - a maioria apresenta transtornos afetivos e comportamentais diversos – precisava protegê-los da curiosidade alheia;
4) O fato da mídia toda estar em cima de mim - tive receio de me tornar uma pessoa famosa e não ter a privacidade de uma pessoa comum, que anda nas ruas do Rio de Janeiro;
5) Denunciar a hostilidade por parte do movimento pró-homossexualismo em relação a minha pessoa. Eles parecem sentir muita raiva de mim e isto foi confirmado pelo repórter da Folha de São Paulo que se disfarçou de paciente, e esteve presente no DF cobrindo o meu julgamento. A carta aberta do Jean Wyllys é uma prova dessa ira. Eu já recebo e-mails de xingamentos, intimidações, sou perseguida por eles, especialmente via CRP-RJ. Temos a experiência de diversos líderes do movimento de apoio, incluindo pessoas que deixaram a atração pelo mesmo sexo, que além das ameaças uma delas já teve o quintal da sua casa cheia de fezes, além de um bilhete aterrorizador. Neste momento, estou planejando a minha mudança de endereço residencial, já efetivei a de um dos consultórios, após o advento do repórter da Folha de São Paulo disfarçado de paciente.

Quanto à entrevista à revista VEJA, desta semana (vide blog: http://rozangelajustino.blogspot.com ), não cessam os comentários de elogio a mim. Sugiro que sejam enviadas cartas para a VEJA elogiando a publicação da matéria que contribuiu para o esclarecimento de muitas pessoas. Eis o trecho de uma psicóloga, que abandonou a profissão e foi estudar para ser advogada, não é religiosa. Ela concordou que estou sendo discriminada:

“Tenho repetidamente conversado com meus familiares e amigos ( muitos deles também pais) sobre as "tendências pró-movimento gay" nos nossos adolescentes. Especialmente com relação às musicas, ao modo de vestir, aos ídolos que apresentam ao chamado "mundo teen". Vejo claramente a tentativa de mercado de orientar esses futuros adultos para a homossexualidade, melhor dizendo, para a BISSEXUALIDADE. Portanto compreendi perfeitamente suas colocações na entrevista de Veja e no pouco que li de seu blog.
Agradeço também por isso, pois estava começando a pensar coisas como: Estou "ficando doida" , "criando teorias de conspiração", "estou ficando velha e conservadora", etc. Em especial por conta de minha vivência em Psicologia, cobrava uma postura mais ampla e compreensiva do meu modo de pensar.
Vejo que não estava " enxergando nenhuma conspiração", mas correta em constatar uma "manobra" de mercado que tem seu alvo, principalmente, nos adolescentes de hoje ( adultos consumidores do futuro).
Obrigada por demonstrar que não sou a única a enxergar essa tendência e, não deixe que essa discriminação ( perseguição também)por parte dos meios de comunicação e do CRP) modifiquem seu pensamento. É um direito acima de tudo!”

Esta Senhora entendeu tudo! Teve um click intuitivo, um insight, utilizando a nossa linguagem, em psicologia para expressar quando a pessoa chegou ao pleno entendimento de uma determinada situação!

Penso que está na hora de estendermos as nossas tendas e realizarmos uma manifestação popular, a única capaz de mudar a política e a justiça voltar a reinar em nosso país! O que já vem sendo feito e sugestões que surgiram:

1) Igrejas diversas tem orado por esta causa, algumas até realizando vigílias – isto é sinal de avivamento por vir;
2) Os advogados me disseram que os abaixo-assinados podem ser mantidos, pois ainda que alguns juízes estejam comprometidos com o movimento da desconstrução social ‘queer’, outros poderão não estar – tudo dependerá dos juízes que pegarem os processos. Pedimos as orações daqueles que entendem que os nossos processos precisam chegar em mãos de juízes que estarão compreendendo a importância da ordem voltar a nossa nação! Veremos os reflexos em toda a terra e no mundo espiritual das nossas ações, pois este é o começo!
3) Também surgiu a idéia de recebermos cartas de pessoas que deixaram ou que querem deixar a homossexualidade explicando os seus motivos para anexarmos aos processos. Aquelas que não tiverem problemas em expor publicamente os seus depoimentos ou se já são públicos eu poderia postar em meu blog as suas cartas, se estas consentirem;
4) Outra sugestão é a de colhermos o depoimento destas pessoas através de filmes e declarações curtas. Quem sabe aquelas que não querem mostrar o rosto poderão fazer como eu fiz: usar peruca, ou utilizar outra forma criativa para o seu rosto não ser identificado!
5) Da mesma forma, pensamos em juntarmos declaração de profissionais que têm a mesma experiência que a minha;
6) Devido à proporção de tudo o que tem acontecido vou precisar de mais pessoas para participar das diversas frentes necessárias ao bom desenvolvimento da nossa missão. Se você se sente chamado, escreva para mim e fale acerca das suas motivações e também compartilhe as suas idéias. Vamos marcar uma reunião, posteriormente - a sua participação será preciosa neste momento da história. Contribuições para a ABRACEH são bem-vindas: BANCO DO BRASIL: agência 1251-3 c/c 24.611-5:
7) Estaremos restringindo os informativos acerca dos locais das reuniões da ABRACEH para o público que irá participar da mesma nas instituições que nos convidarem. Os apoiadores formais da ABRACEH poderão receber maiores informações para nos acompanhar em tais reuniões se manifestar este desejo. Se você quer fazer a sua adesão à ABRACEH escreva um e-mail para info@abraceh.org.br e abraceh@urbi.com.br . Manteremos as nossas reuniões em vários Estados do Brasil, dentro de igrejas e instituições religiosas interessadas em capacitação para o apoio aos que voluntariamente desejam deixar a homossexualidade e outros transtornos/disfunções sexuais. As instituições interessadas deverão fazer contato conosco. Estaremos nos preocupando mais com a prevenção primária (conscientização) e secundária (capacitação para líderes) para que mais líderes possam atuar na prevenção terciária – no apoio propriamente dito;
8) Enviem cópias de todas as publicações sobre este tema em jornais e revistas para o endereço do correio terrestre abaixo, ou cópia escaneada ou link das notícias para os nossos e-mails: rjustino@urbi.com.br; rozangelajustino@abraceh.org.br; info@abraceh.org.br;
9) Vamos manter o enunciado do abaixo-assinado que deverá ser enviado para o nosso endereço: Caixa Postal 106.075 – Niterói – RJ CEP 24.230-970, assim como todas as correspondências via correio terrestre. Eis o enunciado que é só copiar e colar:

ABAIXO-ASSINADO

Considerando os termos dos Arts. 3º, IV; 4º, II; e 5º, IV, V, VI, VII, VIII, IX, X, XIII, XIV, XV, XVI, XVII, XVIII da Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988, que nos assegura o direito de:
a) PENSAR (liberdade de consciência);
b) EXPOR NOSSAS IDÉIAS (liberdade de expressão, intelectual e científica);
c) ASSOCIAR PARA APOIAR OS QUE QUEREM SER APOIADOS (liberdade de atuar e/ou fornecer informações à sociedade).
É que abaixo assinamos em apoio à psicóloga Rozangela Alves Justino, CRP 05/4917, para que continue a incluir em seu atendimento profissional, também as pessoas que voluntariamente desejam deixar a atração pelo mesmo sexo e a realizar trabalhos preventivos, de forma a garantir este direito humano e constitucional. A psicóloga Rozangela Alves Justino prometeu e vem cumprindo o seu juramento quando da colação de grau que por meio do seu exercício profissional contribuiria para o desenvolvimento da Psicologia como ciência e profissão na direção das demandas da sociedade, promovendo saúde e qualidade de vida a cada sujeito e a todos os cidadãos e instituições cumprindo todos os princípios fundamentais e artigos que envolvem a sua responsabilidade segundo o seu Código de Ética Profissional.
NOME
PROFISSÃO
DOCUMENTO

O site da ABRACEH voltou ao ar e podemos participar do abaixo-assinado on line: www.abraceh.org.br – do lado esquerdo tem um menu e o abaixo assinado encontra-se no final.

“...Deus, querendo mostrar a sua ira e dar a conhecer o seu poder, suportou com muita longanimidade os vasos de ira, preparados para a perdição, a fim de que também desse a conhecer as riquezas da sua glória em vasos de misericórdia, que para a glória preparou de antemão, os quais somos nós, a quem também chamou,...” (Romanos 9:22-24ª)

6 comentários:

  1. Anônimo10:40 PM

    Muito bom mesmo esse seu texto, bem esclarecido. Agradeço a Deus por ainda existir pessoa como você. Você merece continuar executando psicoterapia. Tenha boa borte !

    ResponderExcluir
  2. Felipe Mattos11:03 PM

    Não sei se você viu mas o Jota da Sexxx escreveu um texto falando disso para você http://blog.mossadstudio.com/?p=1043

    ResponderExcluir
  3. Kelly Silva1:48 PM

    Questão muito complicada Rozangela. Eu estou começando minha graduação em Psicologia numa das melhores universidades do Brasil. Sei que possuo pouco conhecimento, entretanto já percebi que em sua maioria os estudantes não conseguem juntar religião e Psicologia, o que é uma pena. Alguns são ateus, outros agnósticos e outros não são nada mesmo. Recomendo a leitura do livro "Jesus, o maior psicólogo que já existiu", pois une Psicologia e religião de forma coerente e respeitosa. Acredito que deve-se respeitar os homossexuais porque Deus nos manda amar a todos, mas acho também que faltam a eles o respeito por nós, cristãos, que temos uma crença bem como eles têm a deles. Não cabe julgar a atitude mais correta, mas sim todos respeitarem-se mutuamente. Apoio sua atitude, pois está servindo para vermos que nem sempre a intolerância é dos heteros, parte tbm dos homossexuais. Na realidade, devemos todos respeito e amor uns aos outros. Que Deus lhe abençoe e oriente sua caminhada.

    ResponderExcluir
  4. Estou com você Rosangela...
    Estaremos orando para que haja luz sobre este assunto.
    Porque segundo informações que tenho- a homossexualidade é um tema que ainda não está bem esclarecido para a ciência.
    Apesar de estar claro na Palavra de Deus que- ela existe- é real- e traz sofrimentos.
    Acredito que ainda teremos respostas muito consistentes a este respeito.
    Sempre acreditei na libertação para os que desejam- e sofrem com tal opção.
    A vida é resultado de escolhas- e muitas delas fazemos por comodismo ou falta de coragem para enfrentarmos o novo.
    Acredito que os que são subjugados à condição de homossexual podem ser livres porque para isso Cristo Jesus veio a este mundo.
    Haveremos de conhecer a Verdade e a Verdade nos libertará.
    Saiba prezada Rosangela que você esta sendo canal para o fluir desta verdade tão esperada pelos cativos a este engano.
    Espero que os que vivem atrás da cortina colorida se dêem conta da realidade sofrida para os que tais coisas praticam.
    Forte abraço!
    Eliane Osório

    ResponderExcluir
  5. Anônimo8:32 PM

    eyeLegal pedirá o impeachment do Presidente Lula por atentar contra a especial proteção constitucional à família: CF, art. 85, caput, c/c art. 226.

    Você também pode assinar.

    A LEI MARIA DA PENHA É GAY!

    Equipe eyeLegal
    Rede Global de Direitos Civis
    Pesssoas comuns de todos os países podem ser membros.
    http://www.eyelegal.tk

    ResponderExcluir
  6. Li sua entrevista à Veja e a aplaudo em pé. Hoje em dia todos sofremos milhares de preconceitos, mas parece que os homossexuais agora "lutam" pelo direito de serem os únicos a serem discriminados. Todos somos discriminados todos os dias, por isso acho isso obsurdo. Não que devamos nos conformar com a discriminação, mas fazer dela uma bandeira, por favor!

    Não acho que você discrimine ninguém, acho que teus pacientes têm sim o direito de não desejarem mais pertencer á esta condição.

    Se conseguiu o direito de ser considerado homossexual. Mas pelo visto, ainda será necessário lutar pelo direto de não mais ser.


    Abraços!

    ResponderExcluir